TRF6 apoia o TRE na missão de garantir a integridade das urnas

Corte federal mineira participa de auditoria da votação eletrônica

Autoridades reunidas no TRE-MG

Durante o primeiro turno das eleições, a Justiça Federal da 6ª Região esteve presente nos eventos relacionados à auditoria das urnas eletrônicas.

Na manhã deste sábado, 1º de outubro, o juiz federal Guilherme Mendonça Doehler, titular da 10ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Belo Horizonte (antiga 19ª Vara da Seção Judiciária de MG) e também juiz do TRE-MG, participou como representante do TRF6 em ato solene de definição das urnas eletrônicas que seriam auditadas no dia 2 de outubro.

Na tarde de sábado, a Presidente do Tribunal Regional Federal da 6ª Região, desembargadora federal Mônica Sifuentes, representou a Corte Federal mineira na indicação das urnas que passariam pelo teste de integridade, em audiência pública ao lado do presidente do TRE, desembargador Maurício Soares, e integrantes da Comissão de Auditoria da Votação Eletrônica.

Além da Presidente do TRF6, compareceram os representantes das outras instituições que fizeram indicação das urnas - TJMG, TJMMG, TCEMG, MPF, MPMG, CREA/MG, ALMG, CDL, TRT 3ª Região, CGE, FIEMG, Polícia Federal e Amipão -, além dos membros da Corte Eleitoral do TRE, representantes de órgãos de segurança, de partidos políticos e de entidades da sociedade civil. Na ocasião, foram definidas as 33 urnas eletrônicas que passaram posteriormente, no domingo, 2 de outubro, pelo teste de integridade.

Magistrados do TRF6 acompanham os momentos finais de votação no primeiro turno das eleições em MG

Magistrados Guilherme Doehler e Mônica Sifuentes

Na tarde do domingo, 2 de outubro, dia da votação, a Presidente do TRF6 Mônica Sifuentes e o juiz federal Guilherme Doehler acompanharam o teste de integridade das urnas na Escola Estadual Pandiá Calógeras, no Bairro Santo Agostinho, na capital mineira.

Nas urnas eletrônicas submetidas ao teste de integridade, o boletim de urna da votação eletrônica coincidiu com o resultado das cédulas de papel que haviam sido preenchidas por representantes de entidades fiscalizadoras, atestando, ao final, a confiabilidade do sistema eletrônico de votação.

No teste de autenticidade, é emitido um relatório contendo os hashes (resumos digitais) e assinaturas dos programas instalados na urna.

Teste de integridade realizado na Escola Estadual Pandiá Calógeras

Os eventos foram encerrados no TRE, em audiência pública, antes da totalização dos votos do primeiro turno.

Guilherme Doehler afirmou que “essa integração da Justiça Federal da 6ª Região com a Justiça Eleitoral, neste momento especial em que estamos vivendo uma eleição tão polarizada, é de substancial importância - e mais ainda merece destaque pelo apoio que foi empenhado pela nossa Presidente ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais”.

Botão voltar